You are currently viewing SAÚDE: CASJ RECEBE  APOIO DA OA

SAÚDE: CASJ RECEBE APOIO DA OA

  • Post author:
  • Post category:notícias

O movimento foi grande na Casa de Acolhida São José, na terça-feira, 12/9, durante as consultas realizadas pelo médico pediatra e 1º tenente Lucas Lanferini de Araújo. Com apoio da Operação Acolhida, semanalmente, o atendimento ao público infantil residente no abrigo está acontecendo dentro da Casa. Em casos de subnutrição, há o acompanhamento e fórmulas nutricionais são disponibilizadas para as crianças. De acordo com a necessidade, o público adulto também eventualmente recebe atendimento de um médico clínico geral.

O chefe do Núcleo de Saúde da Acolhida, coronel José Luiz de Souza Oliveira, explica que a motivação está no bojo da Operação, uma vez que as ações humanitárias buscam atender ao público venezuelano refugiado e migrante que entra no Brasil por Pacaraima como um todo. “Entendemos que os problemas de saúde dos usuários da Casa São José findarão por desembocar agravados no Núcleo de Saúde da Acolhida. Portanto, trata-se de ação preventiva’’, afirma.

Em Pacaraima, a Operação Acolhida também presta apoio para atendimento ao público infantil indígena do Abrigo Janokoida e, de forma mais abrangente, à população local, disponibilizando uma médica obstetra para atuação junto à Unidade Básica de Saúde. “O Núcleo de Saúde da Acolhida atua no limite de suas possibilidades, eventualmente realizando atendimentos médicos de complexidades superiores às suas limitações. Esta é uma realidade imposta pela falta de recursos da rede pública de saúde municipal’’, enfatiza o chefe do Núcleo de Saúde da Acolhida.

Ele destaca ainda que os números de atendimentos do Núcleo são superlativos. Apesar do número de imigrantes ser bastante variável, a média de pessoas vacinadas diariamente, na fronteira, gira em torno de 350 pessoas, sendo aplicadas por volta de 1.250 doses de vacinas. Quanto aos atendimentos médicos, envolvendo consultas, acompanhamento de tratamentos, atendimentos ambulatoriais, controle de desnutrição e informes médicos há uma média de 300 por dia.

“O trabalho do Núcleo de Saúde da Acolhida é permanente e extremamente necessário à resposta humanitária para o fluxo migratório venezuelano. Certamente, a descontinuidade de sua operação acarretaria o colapso da debilitada estrutura de saúde municipal’’, finaliza coronel José Luiz.

Fotos: ASCOM/CASJ